Quem vem?

1
A velocidade das transformações que se vão sucedendo, robustas, é por demais inquisidora para quem se tenta equilibrar debilmente sobre este trapézio de idiossincrasias alheias. Já nem eu sei justificar descritivamente as direcções porque vou sendo levado, tropeçando consequentemente em quimeras frívolas que a lugar algum me parecem dirigir. Embalo-me, esperançoso e saltitante, por entre curtas-metragens de qualidade precária que me remetem a tempos em que o cinema era a vida que representava, confiante e seguro. As palavras escasseiam para tudo o que de mim exala descontroladamente e eu vou desfigurando a complexidade do que outrora foi certeza. Confessemos que a dada altura já nem sabemos do que falamos para contrapor a mudez de emoções plausíveis e explicáveis. Adoráveis que somos, repartidos em gomos que se vão deixando apodrecer nas mãos de outrem. E agora, quem se enche de coragem e vem?
Para que possamos colocar à prova todos os ensinamentos nefastos a que fomos expostos por quem tão bem nos desencantou.
By Darko
COMPARTILHAR
Artigo anteriorBoa Sorte
Próximo artigoLisboa não sejas francesa

1 COMENTÁRIO

  1. Tentei ir, tentei ficar, nada nem ninguém quis-me na minha cidade. Irei e quando for é para ficar e criar amarras, quando tenho não gosto de somente comer gomos, gosto de tudo por inteiro, na próxima vez é para ficar, construir e sonhar, se tiver com quem partilhar melhor, sentir-me-ei completa, senão aceitarei e respeitarei. Sim voltarei e ficarei na minha cidade e com o mesmo amor de sempre pela pessoa que com o seu cantar me fez sonhar, o sonho comanda a vida, e com ele nem que seja em sonho eu viverei e o amarei para sempre. Não desisto de mim, da minha cidade nem de ti, sou leal, é uma das qualidades

    Beijinho,
    Cristina p/ Z. B.

DEIXE UMA RESPOSTA