Midnight in Paris

1
Aprecie-se ou não o Homem/Autor, temos de admitir que Woody Allen filmou a big apple como poucos! A sua paixão, admiração e o seu amor por New York é notório em quase todos os frames das suas peliculas.
Alguém que tenha visto Manhattan (1979) não tem vontade de se sentar num banco de jardim nas margens de east river, ver o nascer do sol acompanhado por alguém especial?
Olhem, eu Quero! E Muito! Mas talvez não passe de uma romântica, como o meu amigo Mr. Woody!
Adiante! Depois de dedicar quase toda a sua carreira à sua musa, decide fazer uma incursão por algumas cidades europeias como Barcelona (Vicky Cristina Barcelona), Londres (Match Point) ou Roma (To Rome with Love).
A crónica desta semana vai recair sobre um dos argumentos mais originais dos últimos anos, onde Allen presta uma sentida homenagem a uma das cidades mais bonitas do mundo, a Cidade Luz – Paris!
Os quatro primeiros minutos de Midnight in Paris (2011) são um autêntico elogio que Allen faz a esta cidade! São quatro minutos com uma câmara a percorrer todos os seus locais emblemáticos. Uma rápida viagem que nos leva, entre outros, a Sacre Coeur, Torre Eiffel, Champs-Élysee, Arc du Triomphe, Notre-Dame… e o Sena! Ai, o Sena e as suas maravilhosas pontes! Nada escapa à lente atenta e deslumbrada de Woody e nós, desde início, ficamos arrebatados com tanta beleza.
Woody Allen assina aqui um dos argumentos mais originais da sua carreira, levando-o a arrecadar o Óscar de Melhor Argumento Original, no ano de 2012. O ponto de partida desta história recai sobre o casal norte-americano, Gil (Owen Wilson) escritor e argumentista que nutre uma paixão desmedida por Paris, sendo seu maior desejo ter vivido nos estimulantes e intelectuais anos vinte parisienses e a sua noiva Inez (Rachel McAdams) que não partilha em nada desta visão romântica do seu companheiro.
E tudo se altera numa das noites que Gil deambulava pelas ruas da sua cidade, e ao som das doze badaladas do sino de uma igreja, cruza-se com uma espécie de portal do tempo que o transporta para a sua Era, os tão desejados anos vinte!
Aí Woody, sem qualquer pudor, leva-nos, juntamente com o seu protagonista, a travar conhecimento com la crème de la crème artística que habitava a cidade naquela altura. F. Scott Fitzgerald, Gertrude Stein, Ernest Hemingway, Salvador Dali são apenas algumas das fabulosas construções interpretativas que temos o prazer em assistir.
E é desta forma, meio romântica meio louca que Gil conhece os seus ídolos, e se apaixona pela bela Adriana (Marion Cotillard) que, tal como ele, gostaria de viver noutra época, desta feita na Belle Époque…. Ironia?
GIL
              I’m thinking of a painting by
              Pisarro I’ve seen of Paris in the
              rain. Can you picture how drop
              dead gorgeous this city is in the
              rain? Imagine this town in the
              twenties – Paris in the twenties –
              in the rain – the artists and
              writers – I was born too late. Why
              did God deliver me into the world
              in the 1970’s and in Pasadena yet.
                        INEZ
              Why does every city have to be in
              the rain? What’s wonderful about
              getting wet?
                        GIL
              It’s romantic.
                          INEZ
              It’s annoying.
Midnight In Paris é um filme romântico feito para românticos que vêm beleza e felicidade num passeio à chuva. Ser feliz pode ser simples como isso, independentemente do ano em que te encontres!
COMPARTILHAR
Artigo anteriorDesperdício zero
Próximo artigoLook Book – Homme –

1 COMENTÁRIO

  1. Sim vejo beleza na chuva
    partilhando contigo a mesma rua
    sim adoro andar de mão dada
    de me sentir por ti apaixonada
    adoro as árvores
    limoeiros e pomares
    passear á beira mar
    ouvir o som do mar
    olhar o céu
    e só contigo levantar o véu
    adoro sentir a areia debaixo dos meus pés
    adoro quem tu és
    adoro nas noites de inverno
    partilhar meu amor eterno
    junto à lareira, debaixo de uma manta
    e ouvir para quem para mim canta
    adoro os animais
    crianças e todos os demais
    mas só contigo sonho
    e minhas mãos nas tuas ponho
    meu coração a ti pertence
    só contigo vai para a frente
    sou romântica, adoro olhar a lua
    e a teu lado ver um filme e dizer que só serei tua
    adoro os outros ajudar
    adorava contigo namorar
    falar
    meu coração partilhar
    adoro ouvir musica e tuas musicas cantar
    logo ao acordar
    adoro passear
    meu dia partilhar
    adoro desenhar, pintar e costurar
    bijutaria executar
    já um quadro te pintei
    e teu rosto desenhei
    cadernos sem fim te escrevi de poemas
    mesmo que não haja telefonemas
    sim ainda o amor espero
    sim só a ti te quero

    Beijinho Cristina Vieira

DEIXE UMA RESPOSTA