Lisboa não sejas francesa

1
que é feito de ti lisboa? que é das noites tristes e caladas, das auroras desnudas, do tempo que por nós passava devagar? pintaste o cabelo, fugiste de casa e deixaste-me só, calcorreando o mundo nuns sapatos altos grandes demais, baratos e vulgares como o batom desalinhado que te cobre os lábios na esperança vã de que te cubra as falhas não vá descobrirem-te como és: pequenina, provinciana, pateta, tosca, não vá descobrirem como gostavas era do tempo em que o tempo passava devagar, enquanto te abandonavas lânguida à espuma dos dias, torcendo para que o ontem sobrasse para hoje. que é feito de ti e das mulheres e homens com quem te deitas, o que é que lhes dizes numa língua que não compreendem, de que é que te ris com os dentes manchados de sangue? onde julgas que vais lisboa, menina cidade casa, por quem trocas os doidos, os velhos, os poetas, os miseráveis, por quem me trocas a mim que já não te entendo (eu que te percebia tão bem), porque trocas a saudade pela vidinha, pela correria, pelo souvenir, ruas cheias de gente que olha para ti e não te vê por debaixo das manhas em que te escondes (lisboa não sejas francesa), um cosmopolitismo de trazer por casa (o batom ainda a sujar-te os dentes), porque é que desinfectas o amor que dantes me sufocava, amordaçava, o amor que me matava e me deixava respirar, me afastava na certeza de que nunca estaria menos próxima de ti, porque é que lavas a mágoa e a vendes a preço de saldo, porque é que não devolves os cruzeiros e trazes de volta as caravelas? porque é que não despachas o progresso no expresso da meia-noite e porque é que não morremos na praia, entre as gaivotas e os cancros do Tejo, afundadas nas promessas mentirosas de que o amanhã não vai chegar?
 
Regina Nogueira
COMPARTILHAR
Artigo anteriorQuem vem?
Próximo artigoA Padaria do Povo

1 COMENTÁRIO

  1. Lisboa não mudou, foram somente as gentes, Lisboa talvez não corra já de saltos altos e ande agora devagar com uns simples ténis, cor de água e mar. Lisboa e cidade de coração Portuguesa, Francesa e Inglesa, onde ainda se ouve cantares à noite nas ruelas. o amor nunca se desinfecta, apenas se rega todos os dias com a mesma esperança e ilumina-se quando alguém o tenta apagar. O coração enche-se de caravelas povoadas de borboletas quando te oiço cantar. Lisboa é coração cheio, mas jardim por germinar de um amor que não conheceu até hoje, corpo que nunca foi amado com amor é desejo por queimar, pele por tocar. Lisboa espera teu chamamento e espera que seja a todo o momento pois ouve tua voz todos os dias no vento. Lisboa é amor e coração à espera de ser amada à beira do mar e conjuntamente com o ecoar das ondas, dois corações palpitar.

    Para ti Zé Bicho com um grande Beijinho da Cris

DEIXE UMA RESPOSTA