Já tive fins de semana menos atribulados – Gala VII

2

Eram nove da matina já eu agarrava na mochila para me encontrar com o Pedro Simões da produção para arrancarmos rumo a mais um dia de gravações. Por comodidade, preparo tudo no dia anterior para que possa dormir até à última como convém. Escolho a roupa para a entrevista antes de entrar no elevador de transformações, rectifico os carregadores de telefone e do meu hotspot, que a rede na venda do Pinheiro é como encontrar hipopótamos no ártico, o perfume e o desodorizante e todo e qualquer device indispensável para que o meu dia decorra com a maior leveza possível. O banho também é tomado de véspera, sendo que me limito a levantar-me, coloco um casaco por cima do meu onesie, calço uns quaisquer ténis e lá vou eu, que a vida não está para frescuras. No caminho descobri que o Pedro também era de Viseu e filho de um casal amigo da minha Mãe com quem esta trabalhou há muitos anos. As voltas que a vida dá. O rapaz agora tem um bigode catita, trabalha na Endemol e dá-me boleia para estas aventuras.

O boneco de hoje não era dos mais familiares e confesso que vi o videoclipe do tema pela primeira vez após o mesmo me ter calhado na rotina. Percebi que o moço se mexe de forma incendiária, que tem um penteado uber exótico e que canta nas horas, embora a música tenha uma melodia que dispensa grandes floreados.

Hoje decidi ir vestido pela minha querida amiga Ines Torcato, filha de um estilista parceiro de longa data, o talentoso Julio Torcato. Gosto de aliar a minha arte à daqueles em que acredito e é um privilégio poder promover o que de melhor se faz bem debaixo do nosso nariz, neste nosso país.

1

A minha transformação avizinhava-se longa e macilenta, dado que não só iria mudar de etnia, como teria que passar por diversos estágios capilares até chegar ao resultado pretendido. Apaixonei-me rapidamente pelo casaco do meu boneco, um bomber de lantejoulas da Zara e juro que o vou comprar. Não sei matar a piroseira que habita em mim no que toca a piscas e sinais luminosos no vestuário. Ainda por cima é preto e tudo. Penso cá para mim.

2

Depois das surpreendentes pontuações elevadas de um, na minha óptica, insípido Justin Timberlake e diminutas de um, francamente melhor, Sam Smith, não sabia muito bem o que expectar desta feita. A imprevisibidade é uma constante neste desafio e portanto aprendi a seguir a intuição e rezar para que resulte.

Neste dia de gravações o Zeca fazia anos e portanto estávamos todos com o espírito de união aguçado e o humor negro apurado. Os ensaios decorreram a um ritmo simpático e foi um dia de alguma leveza no que toca à carga de trabalhos. A comida da Conceição do refeitório é sempre extraordinária e eu como que é um disparate. Como se não bastasse, tínhamos de regresso o enorme Toy, das pessoas que mais prazer me deu conhecer nestas lides. Assumindo um imbecil preconceito inicial pelo que se pudesse imaginar deste senhor, posso assegurar-vos que o Toy é como um sol que aterra numa sala e ilumina tudo em redor. Seja pelo seu sentido de humor vernáculo, seja pela sua gargalhada ruidosa, seja pela genuinidade com que nos abraça e se oferece para conviver com todos. Era fácil perceber o enorme carinho que toda e qualquer pessoa naquele estúdio nutre por este ex-concorrente destas lides, que por onde passa deixa um rasto de harmonia e bem estar. Com ele, vinha obviamente o trolley de Dona Ermelinda, um vinho sedutor que nos passa a perna com uma facilidade perigosa.

3

Assisti ao ensaio da Marta Andrino e fiquei profundamente orgulhoso e espantado com o desafio que lhe calhara e que ela decidira encarar. Mariah Carey é só das maiores cantoras do mundo e um desafio avassalador para qualquer cantor que se preze. Para ser, tem que se ser a sério. A Marta é uma pessoa profundamente rigorosa, mas há um fogo discreto que lhe arde nos olhos que só me faz antever-lhe as melhores coisas. Quanto a mim, é de facto um ser humano admirável. Dei-lhe algumas dicas e percebi nela a gratidão e humildade de quem é grande e quer continuar a crescer.

4

Hoje iríamos também ter a visita do simpático actor Isaac Carvalho, o pequeno Júnior da novela a Única Mulher. Um petiz encantador e cheio de genica.

5

A caracterização foi das mais demoradas até hoje, havendo tempo para trocar diversas impressões com o Alxeredo que é um portento de profissionalismo e rigor. Quem o conhece pode perceber o encanto por trás dele. O humor mordaz e contido, o sentido de liderança e um desdém na voz que guarda carinho de soslaio. Nota-se o respeito de toda a equipa pelas suas palavras e muitas vezes é ele que mete ordem em coisas que fogem às suas competências. Hoje já estive careca, já estive com carapinha e passei pelas passas do Algarve até me ser plantado um Ananás imperial na cabeça. O Alxeredo contou com o apoio da misteriosa Steiner, que em silêncio nos enxerta pelos falsos quando o boneco assim o requer. Desta vez foi inclusive usada uma máquina que decidi baptizar de capiladora, para recriar o cabelo curto que o artista detém dos lados da cabeça. A Lilia continua a ser motivo de elogio pela forma como tão bem se veste e a Raquel teve a gentileza de me perguntar pela melhor amiga, facto que guardo com carinho. A Sandra é uma maquilhadora que sinto sempre estar ali por engano. Já nos tínhamos cruzado noutros programas e posso dizer que é uma miúda de uma beleza e graciosidade fora do comum.

O Sérgio deu uma matrafona bem bonita e a Maria entoava pelos cantos uma Ana Moura que se revelou brilhante.

Pelo caminho tive oportunidade de presenciar um momento que comunico em primeira mão, com pesar, ao meu colega Agir: Paulo de Carvalho e The weekend envolveram-se.

6

A gala decorreu em clima de animação e todos nós aplaudimos e concordámos que indiscutivelmente o David tinha feito um trabalho extraordinário. Fiquei profundamente feliz pelo feedback que me foi dado e foi sem dúvida um dos dias mais felizes que vivi neste estúdio. Os parabéns ao Zeca foram cantados vezes sem conta, houve tempo para suspiralhos e todos os outros disparates que decerto puderam contemplar na televisão.

Saí de lá feliz. Mesmo.

Fiquem com o nosso vídeo da praxe.

Até para a semana.

2 COMENTÁRIOS

  1. A tua atuação foi de certo uma das melhores! A maneira como captaste a forma de estar, de mexer as pernas. Transformas-te quando sobes ao palco! Fantástico. Ganhas-te uma seguidora, simplesmente pela forma como és, seguido da tua brilhante voz!

DEIXE UMA RESPOSTA