Guilty Pleasures – Gala IV

1

Esta foi a segunda e última semana na qual tivemos que nos adaptar ao exigente ritmo de gravarmos duas galas por semana para entrarmos no ritmo normal, vistos que o programa havia estreado antes do previsto.

image1

Camisa – Besilent

Calças – Besilent

Botas – Green Boots

Agradecimentos – Cruzeta Torcida

Finalmente sinto que já entrei na dinâmica da coisa e começava a dirigir-me aos sítios quase sempre antes de na realidade ser necessário, antecipando-me ao ritmo de toda a logística necessária para levarmos o programa a cabo e recebendo elogios por parte das equipas de figurinistas e maquilhadores. Para mim é essencial que nada me possa ser apontado profissionalmente perante equipas novas e que me desconhecem a essência, portanto, atrás do mau feitio trago sempre comigo o rigor.

É angustiante e sedutor pensar que me vou entregar à imitação de um dos meus maiores ídolos. Já me cansei de tentar enumerar os motivos que me levam a esta devoção por Christina Aguilera, com a ressalva de que estará a anos luz de todas as colegas que erroneamente lhe são comparadas. Porque como a própria uma vez disse: “I don’t push myself into those formulaic hits. I embraced being a pop artist but I do it in my own terms.”

A responsabilidade e pressão que me coloquei nos ombros é atroz, visto que se por um lado me sinto familiarizado com toda a obra da artista, por outro, também sei o quão difícil é executá-la, ainda para mais travestido e em constante movimento.

image2

Quando dei por mim já estava a experiênciar as maravilhas do creme depilatório no camarim dos homens para me livrar das minhas pouco sensuais pilosidades nas pernas. Tarefa que me deu cabe da cabeça, dada a minha falta de jeito e perfeccionismo exacerbado. Claro que no fim de entupir um lavatório, achei por bem fazer a revisão da matéria com uma gilete, cortando-me por mais que uma vez. Quando vesti o vestido que me fora destinado senti que pelo menos me fazia menos quadrado do que quando dei corpo a Marisa Liz, não sendo ainda assim, bem sucedido na tarefa de me refinar até à graça e condor feminino.

Os saltos desta feita já eram finos como aqueles que mais tememos e eu dei por mim a pensar na loucura a que me tinha proposto. A barba fora novamente à vida e lá tinha eu encontro marcado com o imberbe do Zé teenager que há muito afoguei e tranquei naquele quarto que todos temos de baixo das escadas.

Como é que eu iria recriar uma das actuações que mais me impressionou ao longo da vida? A mim, mestre da exigência, intimidado pela grandiosidade da única diva que me enche as medidas

Durante a maquilhagem divertia-me a pensar na quantidade absurda de pó e apetrechos que estas pessoas carregam consigo para se construírem. Sempre sonhei ter os olhos azuis, sendo na realidade a única coisa que alteraria na minha fisionomia, e vivia sempre o descontentamento de perceber que as lentes de contacto jamais resolveriam o assunto. Sinto-me sempre com um olhar psicopata e desumanizado. Quando chegou a altura de colocar as pestanas postiças percebi que ser-se Christina Aguilera é uma carga de trabalhos intensa.

Durante o ensaio geral repetimos o tema duas vezes, sendo que numa delas um sapato me saiu do pé disparado, fazendo-me tremer relativamente a toda a coreografia que tínhamos encenado, ao mesmo tempo que se grita como um leão e se dança como um cisne. Curiosamente, durante o dia senti que o nervoso era pouco e que sabia que teria que me divertir durante esta actuação acima de quaisquer outras expectativas. Quantas pessoas têm a sorte de ter uma equipa profissional a caracterizá-las para prestarem homenagem aos seus ídolos por um dia?

Pelo caminho cruzei-me com a Carolina vestida de Ana Malhoa e pensei várias vezes que era a própria. O Mourato estava claramente mais aprazível em Metallica, o que lançou um clima de picardia saudável entre estas duas bestas da canção. Imaginem vocês um dueto real? Não seria menos do que épico.

A Melania, que também teria o desafio de incorporar a deusa do tropical urbano, estava ainda retida nas tatuagens da Lilia, remendo-me ao meu primeiro programa em que um braço do Ed Sheeran me custou quatro horas do dia.

A Maria estava adoentada e preocupada com a sua Sia que quanto a mim se revelou extraordinária. Na minha óptica não se pode comparar a exigência de algumas actuações perante outras.

O David debatia-se para decorar a letra do Agir e percebia que o que tantas vezes nos parece simples é tamanhamente mais complexo do que as acrobacias exigentes a que muitas vezes nos propomos de forma despudorada.

A Marta foi Adam Levine mais pré-puberil da história e eu continuo a amar esta miúda. Não me perguntem, mas a Marta tem aquela luz e serenidade que nos faz querer estar perto de alguém.

O Sérgio dava ares do Professor Snape, mas acabou por roubar, justamente, a noite com o seu Fernando Tordo. A verdade é que o catraio canta bem, e à semelhança da irmã, não tem um timbre consensual mas é um bom executante.

O Mourato foi a nossa maior surpresa e concordámos todos que poderia bem ter sido a sua noite. Ficámos gratos por ele ter conseguido trazer Metallica à televisão generalista do povo, mostrando diversidade e honrando outros géneros que também merecem ter lugar e exposição.

Eu, como habitualmente, acho que fiz melhor no ensaio, embora só quando vir realmente o resultado do que é transmitido poderei emitir uma opinião mais precisa. Sei que tripliquei o meu respeito por alguns destes artistas, que além de terem uma voz colossal, se predispõem a todo este rigor técnico de criar uma performance com dança e acessórios atracados ao corpo. Espero não me ter defraudado.

Eis o video da praxe, desta feita com todos os meus catxutxos:

Cheguei a casa com vários sentimentos em mim, confesso que se havia gala que eu gostaria de ter ganho era esta. Só desejo ter estado à altura e ficar com uma boa memória em vídeo desta odisseia que foi ser A Christina Aguilera.

No rescaldo da situação dei comigo a perceber que o meu armário da casa de banho não contempla acetona, tendo que me resignar ao facto de dormir com umas miseráveis e roídas unhas vermelhas, as minhas.

image9

No dia seguinte, comecei por me dirigir, envolvido em toda a sonolência característica de quem vê a sua vida pessoal esfumar-se em função de um desafio que lhe pode trazer novos amanhãs e amplificar a sua obra, à padaria da minha rua para me alimentar condignamente. Os cristais do sono toldavam-me a visão e a mente parecia embaciada. Mastiguei, ruminei e após ter remexido a carteira para pagar, apercebi-me do sorriso jocoso e terno das senhoras que tão bem me atendem à mais de dez anos.

“Ainda não reparou pois não?”

Pois não, não tinha reparado.

As minhas mãos ainda me diziam ser Christina Aguilera. Só que não, só que não…

1 COMENTÁRIO

  1. Darko tu és atraente de qualquer maneira de mulher ou de homem…
    Andei quando a ti no liceu de Viseu e sempre gostei de ti és um homem atraente super super simpático que deixa as mulheres de boca aberta… Gostava de fazer um videoclipe contigo, amigo. Se quiseres beber um café e fazer uma amizade comigo quando viveres a Viseu liga-me 966730281.

DEIXE UMA RESPOSTA