Entrevista a Ricardo Pereira

1

Qual a importância da saúde na estética?

 

A estética envolve mais do que a imagem e aparência do nosso corpo, inclui o nosso bem estar, autoestima, prazer e otimismo pela vida. Quem não gosta de se sentir bonito e elegante? Nos dias de hoje a aparência é um cartão de visita, por isso estar bem conosco é fundamental para uma vida pessoal e social mais realizada.

 

Considera que os Portugueses estão cada vez mais preocupados com o aspeto físico?

 

Claramente,nos tempos que decorrem há uma imensa preocupação com o aspeto físico, que não apenas se verifica na comunidade mais jovem e feminina, mas no sexo masculino e em várias faixas etárias. Os Portugueses na generalidade estão mais cultos, estão a par das tendências da moda, mas até no que se refere à alimentação, tentam ter comportamentos alimentares saudáveis, fatores que sem dúvida ajudam na busca de uma imagem agradável à vista.

 

 

Acha que essa crescente preocupação trás aspetos positivos na forma como encaramos a nossa saúde?

 

Sou apologista que uma pessoa saudável reúne vários critérios, a preocupação com o aspeto físico que cada um idealiza, é também a melhor forma de termos saúde mental. Sentirmo-nos bem conosco leva a que haja preocupações na alimentação, na importância de praticar uma atividade física, cuidar da pele entre outros fatores que estão ligados à saúde e são visíveis. 

 

 

 

Quais os principais motivos porque devemos consultar um nutricionista?

 

Infelizmente ainda há quem pense que se pode contornar uma consulta de um nutricionista, para ajuda na perda ou aumento de peso, ou até mesmo para seguir um plano alimentar mais adequado às suas necessidades nutricionais. O nutricionista é um profissional de saúde insubstituível no que toca a patologias relacionadas com o comportamento alimentar. É quem pode planear um plano e adapta-lo à pessoa em questão, à sua rotina, aos seus objetivos. No entanto, para se obter estes objetivos, é necessário que haja um acompanhamento permanente. 

 

 

 

Há formas de nos alimentarmos bem sem que se torne uma alimentação aborrecida para o garfo de um bom português?

 

É realmente tentadora a nossa gastronomia e nada tem de aborrecida visto termos uma enorme variedade de pratos tipicamente portugueses. Evidentemente é possível seguir uma alimentação variada, usando a nossa óptima matéria-prima, no entanto, basta controlar as quantidades e a regularidade com que as consumimos. O ditado já o diz que podemos comer tudo, mas com “peso, conta e medida”. E sobretudo o melhor aliado, para poder usufruir de tudo que a nossa gastronomia, é o desporto.

 

 

 

Quais os alimentos a exterminar completamente se quisermos manter-nos saudáveis e em linha?

 

Eu sou a favor de que existem muito poucos alimentos a serem exterminados da nossa alimentação, cada um deles apresenta um contributo nutricional, penso que não é necessário deixar de comer determinados alimentos para se ter uma alimentação saudável, apenas fazer a combinação certa de alimentos, na quantidade adequada, e adoptar algumas regras no seu dia-a-dia. Aconselho apenas a redução de sal, açúcar, alimentos com muita gordura assim como a gordura usada na preparação dos alimentos (fritos).

 

 

 

 Considera possível que o exercício físico complemente a ausência de cuidados com a alimentação?

 

A alimentação e o exercício físico estão relacionados, do meu ponto de vista não adianta ter uma atividade física diária, se não seguimos uma alimentação saudável. Os resultados não vão ser satisfatórios, e naturalmente com o tempo a motivação diminui. É sempre importante relacionar os dois para obter sucesso. Uma boa alimentação dará ao corpo o que ele precisa para adquirirmelhor desempenho no exercício.

 

 

Partilhe connosco uma receita que nos encha as medidas do palato sem nos aumentar o número que a balança nos marca.

 

O truque para uma receita que não faça aumentar o peso da balança, passa por substituir os alimentos mais calóricos, pelos mais saudáveis. 

 

Sugiro uma macarronada, usando macarrão integral. Também é necessário evitar o molho industrializado e cremoso, substituindo pelo molho caseiro preparado com tomates frescos, azeite e folhas de manjericão. Quanto ao conteúdo proteico, aconselho carnes brancas, peito de frango cozido e desfiado. Além disso, substitua os queijos mais calóricos por versões light e saudáveis, como a ricota.

 

Texto e fotografia: Zé Manel 

COMPARTILHAR
Artigo anterior250 anos de Bocage
Próximo artigoArtis