De Reis a 2016

0

Desembainhemos a História e desafiemos a Estória, quais divergências das 12 badaladas, vibremos por novos desafios, amor exasperante que beneficia a nossa alma e nos dilacere o leito, o Ikea aqui tão próximo…

 

Deitamos a medir a Lua, percorrendo a essência do corpo, ronçando novos assuntos para desmentir os delatores…podemos avançar.

 

Afagamos o rosto do pertence, deitamos fora o 15, anda 16, anda e emerge – me para lá do desejo, calúnias passadas não movem o coração e eu pertenço ao universo redentor de algo superior.

 

Lisboa acorda, nós olhamos, percorremos a cidade por um lugar privado, gente entre molhos, tudo encastrado em desafios truculentos.

Se não olhares, eu posso beijar – te? 

 

O jeito travesso de Lisboa incorpora a matreirice, entre tascas, de Alfama ao Combro, entre as colchas e as cores, doces aromas detonam orgasmos com que brindemos aos nossos amores.

 

A Lisboa, todosnão essa Lisboa de pijama encarneirada pela monogamia, essa Lisboa que sucumbe aos prazeres dos eunucos, essa Lisboa não tem imaginário nem afeição de Don

 

Pela noite Lisboa emerge a sua libido, justa certeza, ardente, boa de cama, sem fulgores de plástico, voyeurs de prazer a sair da toca, assim borbulha a alma da cidade. 

 

Not So Cool sugere para esta semana Lisboa, mas ao entrar na minha cama, tirem as meias.

 

Don Filipe Tiburcio 

 

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPassei-me com as passas
Próximo artigoO aeroporto do Martim

DEIXE UMA RESPOSTA