Da Polónia com AMOR

0

A virtude da opinião está tomada de assalto pela tentativa de castração de quem não entende o mundo como o carneiro.

 

Nesta via, recordo-me pois de Henrique Raposo, que tomou pontas de sabão na sua história pelo Alentejo.

 

Charlie, que descanse em paz, pois mesmo sem ler um único parágrafo do “Alentejo Prometido”, moralistas 

onanistas, comandaram lutas de ódio e morte…a Lusitânia está a ficar ridícula. A quem tombou por ela, as minhas desculpas, a vergonha alheia consome-me.  

 

Facebook, distila odio, tremores e rumores de gente entediada, que crucifica tudo e todos, fecundando atrocidades, sem pôr em questão o porque de fecundar.

 

A virtude de 74, sombra de falácia, o medo do discurso, a vontade de satisfazer as massas, são miragens de liberdade. 

 

Tenho esperança que o Português faça a diferença, na cama, no chão, além-fronteiras, que seja lembrado pela traça larga de expressão e pelas munições de Amor ao próximo sempre prontas a disparar.

 

Da Polónia espreitarei da minha janela, entrevodka e louras de longas pernasZdrowie

 

Don Filipe Tiburcio

 

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCom que autoridade?
Próximo artigoO Adeus faz-nos pensar

DEIXE UMA RESPOSTA