Amores de Maio

0

Amores de Maio

 

Todas as manhãs o sol troveja no nosso querido Portugal, por vezes grosseiro, na sua agrura sombria.

Maio pulula de divina providência, milagres e metafisica…”avé avé…”

Portugal está meio combalido, mas embarca na época do veraneio, que tomba calor e caracóis.

Sente – se a melodia da estação, mulheres brotam as suas formas, a pele cai, adivinha – se a beleza feminina para lá do apanhado de roupa, no limbo de um Inverno que já não tem lugar. 

As vogais divulgam o encanto entre os raios dos longos dias que na brisa aporta a profusão de cheiros que regam a bido, soando para lá da esquina os murmúrios de um quarto fresco.

A prosperidade tem viabilidade nos braços de um ofegante amor, nas longas noites, nas orações que nos embriagam o coração envolto em laços de ternura. 

Filosofias de um traço romântico, de uma Ode a sentimentos em risco de extinção, entre a decadência e as agruras, garimpando a vontade de encontrar um Maio que nos leve para a cama e nos ame sem restrições moralistas. 

 

Don Filipe Tiburcio 

 

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorOh, MUSicA
Próximo artigoSal grosso

DEIXE UMA RESPOSTA