A dada altura…

5

Sabes que a dada altura toda a gente já lá foi. Felizes dos que ousam ir, para depois perceberem o que é crescer. É preciso doer para nos fazermos homens. Percebermos os reversos das medalhas que outrora brilharam e serviram para valorizarmos a nossa existência. A partilha é um caminho sinuoso que se faz a quatro mãos. Uma só que preguice e todo o processo se desfaz com a premissa que dai surgirão novos degraus. É cada vez mais difícil ser, quanto mais feliz. É sempre por um triz que não cedemos às forças robustas que nos empurram para o passado. O medo de experiênciar tudo outra vez é sempre maior do que a certeza de que o faremos melhor. Não há garantias de sucesso quando andamos em frente. Há apenas uma breve noção de que para trás não há estrada. O mundo parece travestido de cores que não dominas e apenas a tua capacidade de renovação te vai permitir continuar a ver no seu pleno, ainda que essas imagens se distingam cada vez mais do que a tua memória alberga. Nem sempre sei se podemos ter orgulho ou vergonha de tudo o que conosco carregamos. É pesado e embaraçoso quando pensamos que nunca soubemos acompanhar a velocidade dos dias. Amanhã estaremos velhos e possivelmente questionaremos sucedaneamente se teremos feito tudo o que poderíamos para sermos felizes, mesmo quando nunca soubemos o que realmente isso era. É tão subjectivo que se torna difícil traçar um plano. É tão emotivo que nem sei precisar se devemos ter um. É tão assustador que às vezes mais nos vale sermos qualquer um. De quem serão estás expectativas que me assombram as madrugadas? Dos outros? Ou minhas? Tento deixá-las sozinhas num quarto onde possam marinar enquanto decido se tenho paciência para continuar ou se serei mestre na arte de adiar. É difícil saber o que se quer. Ainda mais se não o soubermos. Em última instância, é a nós que nos temos e recomeçar é como renascer. Ou como perder a carta de condução e ter que a tornar a tirar. Uma merda. Necessária. 
By Darko 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorUns santos muito pouco populares
Próximo artigoDeja vu

5 COMENTÁRIOS

  1. Ha uma estrada para construir a dois, maos dadas e enfrentar desafios. Ha sempre uma estrada com novas metas e desafios poderam ser lindos quando ha um ombro amigo a nossa espera na beira dessa estrada. A estrada e longa, mas linda wuando percorrida a dois.

  2. Sempre a caminhar a estrada
    Não gosto de estar parada
    A estrada e para se fazer
    Andar e querer
    Tudo mudar
    Caminhar e partilhar
    Andar e amar
    As mãos dar
    De sor a queimar
    Abraço dar
    Passar a ponte
    Delinear o horizonte
    As nuvens apagar
    Por essa estrada parilhar
    Bocas a sorrir
    E para o futuro partir
    E e amar a estrada da vida
    Que todos os dias me traz alegria

  3. Renasci quando te conheci

    Gosto do meu rosto
    porque um dia te encontrarei em Agosto
    gosto das minhas mãos
    pois um dia as tuas entrelaçarão
    gosto dos meus olhos
    pois um dia olharam os teus
    gosto dos meus ombros
    porque um dia encostaram aos teus
    gosto dos meus braços
    porque um dia abraçarão os teus
    gosto das minhas pernas
    pois um dia ao lado das tuas caminharão
    podendo se entrelaçar
    nesse caminhar
    gosto da minha história
    pois um dia a teu lado gritarei vitória
    gosto da minha vida
    que um dia será contigo repartida
    gosto de te olhar
    amo te ouvir cantar
    gosto de contigo sonhar
    pois um dia a teu lado será meu acordar
    vamos fazer
    vamos o amor viver
    problemas juntos resolver
    juntos crescer
    vamos começar
    olhar o sol a brilhar
    trabalhar e amar
    animais criar e passearmos construir
    já não dá para fugir,
    vamos nos encontrar
    já não dá para adiar
    vamos amar
    beijar pele ardente
    dar o passo em frente
    sim chegou a hora
    leva-me daqui para fora
    quero ir
    contigo partir

  4. Continuo a pensar da mesma forma, tu és a voz que oiço e que entrou no meu coração, a voz que ecoa no meu futuro. És lindo interiormente e exteriormente.

    Beijinho grande Zé B.

DEIXE UMA RESPOSTA